Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

HORA VIP - A revista que surpreende

Armário Cápsula, uma maneira de adotar um estilo de vida minimalista

A cada estação, as tendências renovam-se. Ora é a paleta de cores, ora são os estampados, ora são as peças must-have… E com isto, a lista de itens a ter no armário parece interminável. Quando se vai ao armário, o resultado é quase sempre o mesmo: um monte de roupa, sendo que parte dela nunca ou pouco usada foi.
No sentido de evitar o consumismo desenfreado e compulsivo, surgem algumas causas e movimentos que inspiram quem se encontra nestas situações. Tal como nas artes, o estilo minimalista chegou também à moda. Como? Através do conhecido capsule wardrobe, que, em português, é conhecido como o armário cápsula.
De modo a cessar todas as dúvidas inerentes a este movimento, nada como continuar a ler as próximas linhas e deixar-se envolver por este espírito minimalista, que não só combate o consumismo, como também liberta espaço no armário.

Imagem-1.jpg

Em que é que consiste o armário cápsula?
O armário cápsula consiste num conjunto de regras e medidas a adotar para combater o consumismo desenfreado que se vive atualmente. Para isso, em cada estação, escolhe-se um determinado número de peças para compor os visuais da estação (o mais indicado, dizem os especialistas, é o 37). Entre elas deverão constar tops, camisas, calças, vestidos, saias e casacos. Estão de fora desta lista a roupa interior, a roupa de desporto, as malas, os acessórios e os pijamas. Contudo, quem quiser dificultar o desafio, poderá contabilizar também as malas e os acessórios.
Primeiro passo: esvaziar o roupeiro
Nada melhor do que esvaziar o roupeiro para ter uma perceção do que por lá anda, tal como se de uma limpeza sazonal se tratasse. No meio de tudo isto ainda se encontram alguns itens que estavam há muito esquecidos!
Depois de ter tudo completamente visível, há que fazer a divisão em três categorias: sim, não e talvez. O que não for adequado à estação, guarda-se num outro compartimento do armário ou, então, noutro roupeiro que se tenha. Tudo o resto ficará. Pode-se ainda aproveitar para deitar fora o que já não presta e doar tudo aquilo que não se quer. É um completo tudo em um!
Segundo passo: fazer contas
As necessidades variam de pessoa para pessoa em detrimento das condições atmosféricas da cidade em que vive. Por isso, o número de casacos ou de sapatos pode não ser o mesmo que outras pessoas. Nesse caso, toda a matemática ficará a cargo das necessidades individuais, não havendo um número certo ou errado. Mas atenção: no final, o número de peças presentes no armário tem que estar em concordância com a meta definida inicialmente.
Terceiro passo: o essencial fica à mão de semear
Depois de tudo planeado, há que organizar. Assim, todas as peças básicas e essenciais têm que ficar à mão de semear, vindo depois as restantes. Deste modo, os dramas matinais acabam por terminar e dá-se espaço a um novo estilo de vida organizado e focado no que realmente é importante.
Divisão de emergência
Já que se fala em organização, que tal criar uma divisão de emergência na qual constem peças de meia-estação? Com as alterações climatéricas repentinas, é normal que se acabe por ficar desprevenida de algumas peças essenciais para fazer face a estas mudanças.

Criação de looks
Tal como se faz habitualmente, ao adotar o armário cápsula pode-se igualmente elaborar, de forma antecipada os coordenados com as peças escolhidas. Assim, poupa-se ainda mais tempo e dores de cabeça, já que existem outfits pré-idealizados.

 

Joana Freitas